Loading...

Blog Alfa e Beto

Como fica a alfabetização na BNCC – Base Nacional Curricular Comum?

No dia 8 de setembro, foi comemorado o Dia Mundial da Alfabetização. Aproveitamos a data para compartilhar com nossos leitores reflexões e leituras a respeito de tema. Ao longo deste mês serão publicados neste espaço quatro posts. Clique aqui para acessar o primeiro post, de semana passada.

Enquanto assistimos ao impasse entre o Ministério da Educação (MEC) e o Conselho Nacional de Educação (CNE), que parecem divergir sobre se a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) deve prever o ensino da alfabetização até o segundo ou no terceiro ano do Ensino Fundamental, resta-nos a certeza de que o País está perdendo, mais uma vez, a oportunidade de implementar políticas públicas educacionais em sintonia com as evidências científicas – e com o que é praticado nos países que exibem bons índices educacionais.

As evidências apontam que a alfabetização deve começar no primeiro ano da escola formal. Isso porque, ao final dos cinco anos e início dos seis anos de idade, as crianças – em geral – possuem todas as condições necessárias para aprender a ler e escrever de forma sistemática. Quando deve terminar depende da complexidade da Sistema Alfabético de cada língua. Considerando que o sistema alfabético brasileiro tem grau de dificuldade considerado médio nas dimensões de opacidade e transparência, é possível alfabetizar as crianças brasileiras em um ano letivo.

Em recente entrevista para o jornal O Globo, o pesquisador e sociólogo Simon Schwatzman – que participou de um grupo da Academia Brasileira de Ciências que estudou o tema – foi categórico ao resumir muito bem a situação. Diz ele: “A alfabetização é crucial. Se a criança chega aos oito ou nove anos de idade analfabeta, dificilmente se recupera. Há uma espécie de consenso, inclusive no governo federal, de que a alfabetização tem que se completar até a 3ª série. Na verdade, tem que ser na 1ª série. A criança com seis, sete anos já tem que dominar a alfabetização para ter condições de acompanhar outras coisas”.

“Amadorismo”

A idade prevista para a alfabetização não é a única fragilidade da BNCC, segundo a visão de importantes especialistas da área. João Batista Oliveira, presidente do Instituto Alfa e Beto, já registrou publicamente que a proposta de educação infantil é a mais amadora, e a proposta da alfabetização é carregada de “impropriedades, erros e omissões graves”.

Um dos problemas cruciais está na definição – ou na ausência dela – do que é alfabetizar. Em nenhuma das três versões apresentadas da BNCC, há uma definição clara de alfabetização ou do conjunto de habilidades estritamente relacionadas a este

processo. De acordo com o paradigma da Ciência Cognitiva da Leitura, alfabetizar significa dominar o código alfabético, ou seja, usar conhecimentos sobre as correspondências entre fonemas e grafemas para extrair o som da palavra. Mas isto não está na BNCC.

Outra questão se refere ao fato de que a proposta está baseada em uma abordagem silábica, o que é um equívoco, tendo em vista que Língua Portuguesa não é silábica. E, embora os documentos de introdução e divulgação da BNCC afirmem que a Base não trata de métodos, nos detalhamentos pertinentes à alfabetização há diversas recomendações – infelizmente equivocadas do ponto de vista científico – sobre como alfabetizar.

Há também omissões importantes, como a questão da caligrafia. A proposta privilegia dispositivos eletrônicos em detrimento do ensino e treino da escrita manuscrita. Se este é o tipo de escrita exigido por avaliações, vestibulares e concursos públicos, por que ela é ignorada na BNCC. A palavra caligrafia não é mencionada uma vez sequer, no documento preparado pelo MEC.

Além disso, a fluência com que o aluno pode escrever é fortemente associada ao esforço e aos incentivos para redigir. Portanto, se não ensinar a criança a escrever de forma eficiente, a escola estará conspirando ativamente contra o desenvolvimento das habilidades para redigir textos mais tarde. As evidências mostram a contribuição da caligrafia para a ortografia – ou seja, o aluno que escreve mais, escreve melhor. Se estiver disposto a abolir a caligrafia, o MEC deveria propor mecanismos alternativos para compensar as perdas em ortografia.

Por fim, vale ressaltar que o texto apresentado claramente não foi submetido a um verdadeiro debate, especialmente com especialistas que estudam o tema com abordagem científica. No Brasil, a alfabetização vem sendo tratada há décadas apenas na sua dimensão ideológica. O país possui pelo menos uma meia dúzia de pesquisadores que participam ativamente da comunidade científica internacional – mas eles não foram ouvidos. Nem foram considerados importantes relatórios como o da Câmara de Deputados, de 2003, e o da Academia Brasileira de Ciências, de 2010.

Cabe perguntar: qual é a legitimidade de uma proposta que não leva em conta a evidência científica nem se importa em debater com os principais pesquisadores brasileiros que participam da comunidade científica internacional nesse campo?

Comente

Deixe uma resposta



Fique bem informado

Receba novidades do Alfa e Beto no seu e-mail.