Mercadante defende mais gramática no currículo nacional de educação

Por Folha de S. Paulo

A proposta para um currículo nacional apresentada mês passado praticamente não faz referências ao ensino de gramática. A opção desagradou pesquisadores e até o novo ministro da Educação, Aloizio Mercadante –que defende que a norma culta esteja mais presente.

O documento foi elaborado por uma comissão de especialistas, articulada pelo Ministério da Educação, e está agora aberto para o debate público. A proposta final deve ser fechada até 2016, já com a chancela do governo.

O currículo nacional (oficialmente chamado de Base Nacional Comum Curricular) deverá nortear o que será ensinado em todas as escolas de educação básica do país. Hoje, as escolhas estão nas mãos das redes e das escolas.

(…)

Do jeito que a proposta está, fica a critério do professor ensinar o que quiser”, afirmou o presidente do Instituto Alfa e Beto, João Batista Oliveira, voltado à alfabetização. “Só funcionaria se tivéssemos uma multidão de professores muito bem preparados. Não é o caso.”

O jornal Folha de S.Paulo não permite a reprodução do texto na íntegra. Para conferir a reportagem completa, clique aqui

Compartilhe este Artigo

Se você gostou desse artigo, por favor, tome um segundo para compartilhá-lo.