Dados sugerem que apenas 10% dos alunos das redes estaduais atingem níveis satisfatórios no Ensino Médio

576
Ensino médio

Apenas um em cada 10 alunos alunos das redes estaduais atingem níveis satisfatórios de aprendizagem ao final do Ensino Médio. É o que sugere o Boletim IDados da Educação N.2, lançando nesta semana pelo Instituto Alfa e Beto. O Boletim, divulgado periodicamente, analisa com rigor e independência dados e informações produzidos por diferentes fontes com o objetivo de levar conhecimento relativo a questões educacionais a diferentes públicos. Nesta edição, o tema são os Resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) 2014.

Para calcular o desempenho dos alunos, o IDados desagregou os resultados dos estudantes no exame em cinco níveis de desempenho, sendo que o nível 5 representa as notas mais altas. Se considerarmos o nível 3 como satisfatório, ou seja, pelo menos 600 pontos na prova de Redação e 550 nas demais provas, aproximadamente 20% dos alunos das redes estaduais avaliados conseguem atingir esse patamar. Com isso, eles estariam aptos a concluir o Ensino Médio e prosseguir estudos.

Contudo, se considerarmos o total de alunos matriculados no último ano do Ensino Médio nas redes estaduais, apenas 10% atingem esse nível. Ou seja: para cada 100 alunos matriculados no último ano do Ensino Médio, apenas dez deles deixam a escola sabendo o que se é esperado – se considerarmos o nível 3 como adequado. Os outros 90 alunos finalizam os estudos sem dominar habilidades básicas em áreas como Matemática e Linguagem.

Trata-se de dados perturbadores que lançam luz sobre um fato amplamente conhecido: o Ensino Médio agoniza no Brasil. É nesta etapa que se encontram os índices mais preocupantes de evasão e baixo desempenho. Um currículo inchado com disciplinas que não atendem às reais necessidades dos jovens e a falta de diversificação, que permita aos estudantes escolher caminhos para o futuro, representam algumas das raízes desses problemas.

O baixo desempenho dos alunos evidenciado pelo Boletim IDados da Educação tem como consequência dificuldade dos jovens em ingressar no mercado de trabalho devido à baixa qualificação; dificuldade em prosseguir os estudos no nível superior ou, uma vez dentro da universidade, dificuldade em progredir da forma adequada; baixa produtividade e perspectivas restritas. Reverter este quadro requer empenho por parte das autoridades e pressão por parte da sociedade e do setor produtivo.

Outros dados

Ainda segundo os dados analisados, pouco mais da metade dos participantes do ENEM 2014 já havia concluído o Ensino Médio em anos anteriores e apenas 24% deles cursavam o último ano do Ensino Médio. Desses, aproximadamente 27% estavam matriculados na rede privada, sendo que esta contêm apenas 22% das matrículas no último ano do Ensino Médio. Esses dois dados, somados a outros, mostram que o ENEM sofre problemas de amostragem e não pode ser considerado um termômetro fiel da qualidade do Ensino Médio no Brasil.

Constata-se, também, que os alunos das escolas públicas são os que menos se beneficiam do ENEM. As notas das escolas das redes privadas são consistentemente superiores às notas das redes estaduais – e isso não apenas em 2014, mas também em anos anteriores, mostra o Boletim. Pior: em todos os níveis de analisados pelo IDados os alunos das escolas privadas obtêm melhores resultados do que os das escolas públicas.

Relação entre gastos e melhor desempenho

Os dados analisados no Boletim IDados sugerem que não existe uma relação significativa entre gastos e desempenho. Os estados que apresentam gastos mais elevados não obtiveram necessariamente médias mais altas no ENEM 2014.

Outra preocupação em relação aos custos desse exame – que chega a mobilizar até o Exército Nacional – é que, apesar de ser elaborado como uma avaliação de qualidade dos alunos concluintes do Ensino Médio, apenas 24% dos participantes preenchem esse perfil. Portanto, o objetivo real da prova parece ser o de selecionar alunos para o ensino superior.

Dado o alto grau de correlação entre os resultados das provas e os elevados custos dos testes, especialmente da prova de redação, surge o questionamento: não seria o caso de utilizar meios mais baratos, mais eficientes e igualmente eficazes para atingir os mesmos objetivos, permitir maior diversificação nas opções de prova que os alunos fazem e dar respostas mais rápidas para alunos e universidades organizarem seus planos de vida? É preciso cobrar por respostas.

Ficou interessado em saber mais sobre os desafios do ENEM? Baixe o Boletim IDados da Educação completo e confira outras análises sobre esse tema.

***

Para se aprofundar no tema dos desafios do Ensino Médio no Brasil, navegue pelo nosso acervo de publicações.

Confira também algumas das publicações disponibilizadas pelo Instituto Unibanco, que se dedicam a debater o tema:

Publicações recentes do Banco Mundial também abordam o tema: