Ler para crianças desde cedo estimula habilidades linguísticas e emocionais, diz estudo

210
antônio gois

Reportagem publicada no site da revista Época

Às 7h30 da manhã, Regilda Marques de Sousa, de 34 anos, sai de casa para vender cosméticos. No caminho para o trabalho, ela deixa seu único filho, Israel, de 4 anos, na creche onde passa o dia. Mãe e filho, que moram na periferia da cidade de Boa Vista, em Roraima, só voltam a se encontrar pouco depois das 6 horas da tarde, quando o expediente e as atividades na escolinha terminam.

À noite, a rotina na casa de Regilda e Israel não é mais a mesma desde 2015. “Antes, eu chegava, ligava a televisão, ia pôr a roupa suja na máquina e logo chegava a hora de dormir. Meu filho ficava vendo desenho o tempo todo”, diz ela. Regilda conta que, agora, Israel chega em casa ansioso para ler, na companhia dela, os livros que pega na escola. “Ele manda eu desligar a televisão e largar o celular.”

O interesse do menino por literatura infantil não surgiu por acaso. Em março do ano passado, ele e a mãe passaram a fazer parte de uma pesquisa realizada em creches de Boa Vista – as chamadas casas-mãe, que atendem crianças de 2 a 4 anos de idade. Durante oito meses, pais foram estimulados a ler dois livros por semana para seus filhos. Realizado por pesquisadores da Faculdade de Medicina de Nova York, em parceria com o Instituto Alfa e Beto, o estudo teve como objetivo avaliar o impacto que a leitura e a interação familiar teriam no desenvolvimento dos pequenos.

Entre as creches públicas da cidade, foram sorteadas 22: metade fez parte do grupo experimental, que sofreu as intervenções dos pesquisadores. As demais 11, integrantes do chamado grupo de controle, continuaram em sua rotina, para que fosse possível a comparação de dados depois do experimento. Educadores de todas as creches da cidade já seguiam um programa regular de leitura para as crianças. A pesquisa se propôs, nas 11 unidades selecionadas, a avaliar o impacto do envolvimento dos pais no processo. “O que mais contribui para o desenvolvimento das habilidades acadêmicas de um indivíduo não é o que acontece na escola, mas o que acontece em casa nos primeiros anos de vida”, afirma João Batista Oliveira, psicólogo e presidente do Instituto Alfa e Beto.

Mães ou pais de 305 famílias passaram a frequentar reuniões com educadores a cada três semanas, nas quais aprenderam o método chamado de leitura interativa. “Enquanto leio, pergunto para meu filho qual é a cor dos personagens, o tamanho das figuras e o nome dos animais”, diz Regilda. “Ele até pede para eu fazer drama quando interpreto as falas dos personagens. Ele arregala os olhos!” Segundo João Batista, essa é uma forma lúdica e participativa de despertar a curiosidade das crianças e estimular habilidades cognitivas. “Os pais foram incentivados a conversar mais com os filhos em casa ou no mercado”, afirma o pesquisador. “Para impulsionar o desenvolvimento, é importante fazer relações entre a leitura do livro e a leitura do mundo.”

Ao final da pesquisa, em novembro de 2015, pais e filhos passaram por mais uma bateria de testes e questionários. Nível de vocabulário, controle emocional, hábitos alimentares e qualidade das relações familiares foram alguns dos pontos analisados. O mesmo foi feito oito meses antes de o estudo começar. A partir da comparação dos dados, foi aferido que 50% das famílias passaram a ler com os filhos no mínimo três vezes por semana; houve um aumento de 14% no vocabulário das crianças e de 27% na capacidade de elas memorizarem informações; o número de crianças que não apresentaram problemas de comportamento, como agressividade, aumentou 25%. Além disso, verificou-se que, em vez de punição física, alguns pais passaram a recorrer à conversa para para resolver possíveis conflitos.

Esses e outros resultados foram apresentados nesta quarta-feira (6), em audiência pública no Congresso Nacional. O evento faz parte do IV Seminário Internacional do Marco Legal da Primeira Infância, que tem o objetivo de aperfeiçoar a legislação, sancionada em março deste ano, que estabelece políticas públicas para os primeiros anos de vida – de 0 a 6 anos.

“Estou muito feliz com o resultado do projeto. O objetivo é mudar uma geração”, afirma Teresa Surita, prefeita de Boa Vista. Ela, que pretende ampliar a abrangência desse e de outros programas voltados para famílias e crianças até os 6 anos, destaca a importância do investimento na primeira infância. “É durante a primeira infância que acontecem as principais conexões do cérebro. Os maiores resultados serão percebidos quando essas crianças tiverem cerca de 15 anos. É um investimento de longo prazo.”

Entre os grandes méritos da pesquisa, Teresa destaca o fortalecimento do vínculo entre pais e filhos. Regilda concorda com ela. “Hoje, além de o meu filho ser uma criança muito mais curiosa e inteligente, estamos muito mais próximos”, diz ela. “Dou muito mais atenção a ele. Para mim, ler com ele não é uma obrigação, é algo prazeroso.”