Em artigo na Gazeta de Alagoas, João Batista Oliveira analisa os resultados da Prova Brasil 2017

165
bncc

Em artigo publicado na Gazeta de Alagoas, João Batista Oliveira, presidente do Instituto Alfa e Beto, comenta os resultados da Prova Brasil 2017 em nível nacional e em Alagoas.

No primeiro parágrafo do texto, há um erro de digitação: os resultados são da Prova Brasil de 2017, e não de 2007.

O presidente do Instituto Alfa e Beto diz, no texto, que, no país como um todo, o aumento das notas da rede pública nas séries iniciais foi de quatro pontos e, nas séries finais, em torno de zero.

“Em Alagoas, o resultado foi de 7,1 pontos nas séries iniciais da rede estadual e 4,7 na rede pública como um todo. Nas séries finais, foi de 6,5 e 7 pontos, respectivamente e, no ensino médio, 2 pontos. Houve avanços no Estado, iguais ou superiores à média nacional”, diz.

Segundo o especialista, os dados divulgados mostram o quão pouco sabem os alunos brasileiros: metade deles estão abaixo do nível 4 nas séries iniciais; abaixo do nível 3 nas finais; e do nível 2 no ensino médio. “Em Alagoas, a proporção de alunos abaixo desses níveis é muito maior”, acrescenta.

João Batista Oliveira acredita que o modelo de “políticas centralizadas e uniformes em todo o país” do MEC não vem dando certo, e que “poderia servir de inspiração” para os estados analisar as experiências que deram certo em nível regional e local.

Segundo ele, em Alagoas, municípios como Coruripe, Limoeiro do Anadia e Campo Alegre continuam avançando. Teotônio Vilela e Junqueiro também merecem atenção.

Leia o artigo na íntegra aqui.