Teresina alfabetiza 84% dos alunos do 1º ano da rede pública municipal

953
rede pública municipal de Teresina

Notabilizada por seus resultados na última edição da Prova Brasil, quando ficou em 1º lugar dentre as capitais brasileiras no 5º e 9º ano do Ensino Fundamental, Teresina desponta também como caso de sucesso no campo da alfabetização. De acordo com avaliações realizadas pelo Instituto Alfa e Beto com 5042 alunos (78% do total) de 120 escolas da rede pública municipal da capital piauiense, a taxa de alfabetização ao final do 1º ano do Ensino Fundamental foi de 84%.

Para o secretário de Educação de Teresina, Kleber Montezuma, o progresso dos resultados na alfabetização nos últimos cinco anos está intimamente ligado à adoção dos programas e materiais do Instituto Alfa e Beto. “Percebemos que, com o apoio de parceiros como o Instituto Alfa e Beto, poderíamos avançar mais. Foi uma decisão pedagógica e política acertada”, avalia Montezuma.

O secretário de Educação – que está no cargo desde 2013 e havia chefiado a pasta entre 2001 e 2004 – conta que conheceu o presidente do Instituto Alfa e Beto, João Batista Oliveira, em 2000, antes mesmo da criação do Instituto. Segundo Montezuma, em 2013, 48% dos alunos do 1º ano da rede municipal eram alfabetizados no 1º ano, e no 3º ano, a taxa de alfabetização ficava entre 68% e 70%.

A coordenadora de alfabetização do município, Carmem Portela, conta que, desde o ano passado, o Programa de Alfabetização do Instituto Alfa e Beto passou a fazer parte do “Alfabetiza Teresina”. A iniciativa tem como objetivo alfabetizar todas as crianças já no 1º ano. Segundo Carmem, o projeto é realizado em regime de colaboração com as escolas “Temos três pilares: avaliação, monitoramento e formação dos professores e dos assistentes de alfabetização. Para alcançar os resultados desejados, reorganizamos e redefinimos o nosso planejamento e realizamos as capacitações”, explica. “Todo o material do 1º ano nas escolas de Teresina é do Instituto Alfa e Beto. Também é aplicado o teste de fluência de leitura dos alunos. Na formação dos assistentes de alfabetização utilizamos as orientações sobre da consciência fonêmica, presentes no material do Instituto Alfa e Beto. Ou seja, o programa do Instituto perpassa todos os momentos da sala de aula”, detalha a coordenadora.

Diretora da Escola Municipal Professor João Porfirio De Lima Cordão de 2012 a 2018, Regina Soares de Amorim fala sobre a implementação do cronograma do programa no dia a dia da sala de aula. “A rotina é uma das coisas mais importantes. A metodologia do Instituto Alfa e Beto é importante também para a organização do trabalho e para o planejamento do professor. Com o cronograma bem definido, conseguimos seguir uma rotina. Como os professores participam de reuniões do instituto a cada 15 dias, eles já chegam com essa programação pronta”, relata.

Outro ponto que chama a atenção da ex-diretora é o desenvolvimento da consciência fonêmica, trabalhada pelo programa desde o jardim II. “Os alunos estão chegando da educação infantil muito preparados. No decorrer do 1º ano, uma das coisas mais interessantes é a leitura. Quando o aluno pega o ritmo, ele lê de carreirinha, sem gaguejar. E isso é muito bacana de acompanhar”, destaca.

O prefeito de Teresina, Firmino Filho, destaca, ainda, como fator de sucesso o comprometimento da equipe de Educação no município. Ele aponta também que o alto nível de alfabetização na capital tem relação com a continuidade dos projetos. “É isso que dá resultados. Na educação, os resultados não acontecem de um dia para o outro. É com persistência e foco que atingimos as metas”, ressaltou. Firmino Filho diz que outros municípios notaram os resultados alcançados por Teresina e tem enviado equipes para conhecer os programas implementados na capital do estado.