Base Nacional Comum Curricular

187

Do que se trata

  • Currículos constituem um dos pilares de qualquer sistema educacional – ao lado de concepções claras sobre o papel da escola e a organização do sistema escolar, magistério e avaliação. Nas últimas décadas, sob a influência da globalização e de testes como o Pisa, a maioria dos países da OCDE atualizaram seus currículos.

Evidências relevantes

  • Existem fortes evidências sobre a importância do currículo no desempenho dos alunos.

O que dizem as melhores práticas sobre elaboração de currículos:

  • Os currículos são elaborados a partir de um processo público. Primeiro se elabora um documento base, sob responsabilidade de um indivíduo ou equipe altamente qualificada. O documento é aprimorado e serve de base para o detalhamento dos currículos.
  •  O detalhamento dos currículos é feito por equipes especializadas (e não por “representantes”, como no Brasil) e, depois de refinado e compatibilizado por equipes técnicas, é submetido a professores das respectivas disciplinas e séries, para fins de “ajuste fino”.
  • Os documentos finais publicados têm uma linguagem simples e clara – pois destinam-se principalmente a professores, produtores de materiais didáticos e pelos responsáveis por avaliações e pela formação de professores.
  • Os currículos para ensino médio são diversificados. Em alguns países a diversificação começa ainda antes do ensino médio.
  • Currículos são revistos regularmente.
  • Alguns poucos currículos entram em questões de métodos, e, quando o fazem, se limitam a temas em que há evidências robustas sobre a eficácia dos mesmos – como é o caso dos métodos fônicos na alfabetização.

O Instituto Alfa e Beto considera que:

  •  O processo de elaboração da BNCC não se coaduna com as melhores práticas. Foi elaborado por meio de um processo participativo, mas isso não assegura nem sua legitimidade nem sua qualidade. Ver mais em Fraturas na Base:

O Instituto Alfa e Beto defende e propõe:

  • Que currículos sejam elaborados de acordo com os procedimentos e rituais próprios, baseados em documentos iniciais elaborados e revistos por especialistas e com sucessivas revisões que permitam o debate qualificado, inclusive, em etapas mais avançadas, a análise da propriedade das propostas realizada por professores experientes.
  • A revisão completa dos capítulos sobre educação infantil e alfabetização, levando em conta as evidências científicas e as melhores práticas constantes dos currículos dos países mais avançados.
  • A completa revisão das orientações gerais sobre o ensino médio, criando um espaço próprio para o ensino médio técnico, eliminando ou esclarecendo de maneira definitiva o conceito de “educação geral” e especificando trajetórias, na vertente acadêmica, mais consistentes com as áreas de estudo encontradas no ensino superior.
  • No caso da atual BNCC, o Instituto propõe que, a exemplo do que se fez em Portugal, a BNCC seja substituída, de fato, por um conjunto de metas de leitura acessível aos professores e autores de livros didáticos.

Principais publicações do Instituto Alfa e Beto sobre o tema:

Veja mais publicações do Instituto Alfa e Beto sobre o tema clicando aqui.