Relatório “Para desatar os nós da educação – uma nova agenda” será apresentado nesta terça, 10/09, em evento no Insper, em São Paulo

136
desatar os nós

Como desatar os nós da educação púbica brasileira com uma nova agenda que acrescenta novos olhares ao consenso que se criou na área? As respostas para essa pergunta compõem o painel da apresentação que João Batista Oliveira, presidente do Instituto Alfa e Beto, fará nesta terça, 10 de setembro, às 9h, no Insper, em São Paulo, com transmissão simultânea por esse link.

Após a apresentação do relatório “Para desatar os nós da educação – Uma nova agenda”, serão realizados dois debates. O primeiro, mediado pelo jornalista Antônio Gois (O Globo e Jeduca) e com a participação de Fernando Haddad e Ricardo Madeira, terá como tema o diagnóstico da educação brasileira apresentado no documento. Já o segundo, mediado pelo jornalista Hugo Passarelli (Valor Econômico) e com a participação de Ilona Becskehazy e Eduardo Mufarej, tratará das perspectivas da educação, tendo também como referência as propostas apresentadas por João Batista Oliveira.

O estudo produzido pelo presidente do Instituto Alfa e Beto apresenta um panorama detalhado da educação básica, com análise documentada e profunda da evolução e do desempenho do sistema educacional em termos de cobertura, qualidade, eficiência e equidade. “O documento se dirige à sociedade, à comunidade acadêmica, aos empresários, aos jornalistas, enfim, todos que considerem o debate como um instrumento para aprimorar a democracia e apreciem argumentos com base em dados e evidências”, diz João Batista Oliveira.

Oportunidades – Segundo o autor, o estudo foi motivado por fatores como a crise fiscal e previdenciária que afeta todo o país e que exigirá melhor uso dos recursos existentes; as mudanças demográficas em curso, que irão reduzir a demanda (até o ano 2040, teremos menos 500 mil alunos em cada série escolar); o perfil de idade dos professores efetivos (com a aposentadoria de um grande número de professores nos próximos anos, poderá ser realizada uma profunda renovação dos quadros docentes. É uma oportunidade para que se criem carreiras atrativas focadas em um novo perfil de candidatos a professor); o fim do prazo de validade do FUNDEB, que enseja a rediscussão das regras de financiamento e a melhor utilização dos recursos; e, ainda, a postura do governo federal, que acena com maior descentralização e desregulamentação (isso pode deixar estados e municípios mais livres para testar novas iniciativas).

O relatório mostra que os fatores normalmente considerados mais relevantes para melhorar a qualidade da educação (como volume de gastos, salário de professores, titulação de professores, tempo integral, tamanho do município etc.) têm pouca relação com o desempenho escolar. “Há poucos exemplos robustos de intervenção bem-sucedida. Basicamente temos Sobral, no caso de redes municipais, e o Estado do Ceará, no caso dos incentivos usados para estimular a melhoria de desempenho dos municípios. O fato de serem exceção à regra confirma a ideia de que as regras e normas que orientam a educação brasileira devem estar desajustadas”, provoca João Batista Oliveira.

De acordo com o relatório, as principais causas dos problemas da educação pública brasileira estão associadas ao baixo nível de formação dos professores, a currículos inadequados – especialmente no ensino médio, a um conjunto de avaliações que não gera consequências, a excesso de regras e à falta de modelos adequados de gerenciamento. “De todos, o problema dos professores é o mais grave”, aponta o autor.

Propostas – Para desatar os nós da educação, o estudo propõe um leque de prioridades. Parte delas se refere a ações externas. O documento reforça a importância de considerar a educação como parte integrante de uma política de formação do capital humano e sugere medidas concretas que poderiam ser tomadas no âmbito das políticas econômicas e sociais, com grande impacto no desempenho educacional. “A principal ação a ser empreendida no âmbito da educação seria a de aproveitar a janela de oportunidade para criar carreiras novas e atraentes para jovens com elevado padrão de desempenho acadêmico. As demais medidas se referem a questões de currículo, reestruturação do ensino médio, avaliação e financiamento. O documento também propõe medidas de curto prazo para estimular a melhoria da qualidade – especialmente na forma de estratégias comprovadamente eficazes de ensino estruturado; incentivos em vez de leis e normas; e tratamento diferenciado para os municípios, em função do porte e nível de recursos.

 

Serviço

Evento: Relatório “Para desatar os nós da educação – Uma nova agenda”

Data e horário: 10 de setembro de 2019, das 9 às 12h

Local: Insper – Rua Quatá, 300 – Vila Olímpia – SP

Link de transmissão ao vivohttps://livestream.com/insper/paradesatarosnosdaeducacao

OBS: o Relatório estará disponível no site do Instituto Alfa e Beto (www.alfaebeto.org.br) a partir do meio-dia desta terça, 10/09