Pacto pela Alfabetização em Uberlândia (MG)

388

Por meio de sua Secretaria Municipal de Educação, a cidade de Uberlândia (MG) aderiu formalmente ao programa Pacto pela Alfabetização e iniciou a capacitação da equipe gerencial e dos professores da rede municipal de ensino.

Conduzidas pelo Instituto Alfa e Beto, as reuniões de capacitação começaram no dia 1° de fevereiro e seguem até o dia 10. Segundo Ana Helena Catelan Munró, responsável pelo suporte técnico pedagógico do Instituto junto ao município, participam da capacitação cerca de 112 gestores e coordenadores das 64 escolas municipais e 1.600 professores dos três primeiros anos do ensino fundamental.

“As expectativas para o trabalho em Uberlândia durante o ano letivo de 2022 são as melhores possíveis. Tanto os professores quanto os gestores e coordenadores estão muito animados”, afirma Ana Helena.

O Pacto pela Alfabetização é uma parceria firmada entre o Instituto Projeto de Vida, o Instituto Raiar e o Instituto Alfa e Beto com a Prefeitura e a Rede Municipal de Ensino de Uberlândia. O programa envolve cerca de 20 mil estudantes do Ensino Fundamental.

O objetivo é melhorar os indicadores de alfabetização, aumentando as chances de cada criança avançar em sua trajetória escolar. O material didático que será utilizado na ação foi desenvolvido pelo Instituto Alfa e Beto e faz parte do Programa Alfa e Beto de Alfabetização.

A adesão do município ao Pacto pela Alfabetização foi marcada por uma solenidade que aconteceu dia 7 de fevereiro no auditório Cícero Diniz, com a presença do prefeito Odelmo Leão. Segundo ele, a iniciativa é fundamental para que “as crianças se sintam capazes de ler, entender e realizar”.

O evento também contou com a presença da secretária de educação, Tania Toledo. Ela afirmou que, ao aderir ao Pacto pela Alfabetização, a gestão municipal “mensura e reforça a consideração e o cuidado que atribui à alfabetização e ao letramento das crianças”.

Já para a diretora executiva do Instituto Raiar, Jaqueline Azevedo, a meta é fazer com que os alunos cheguem alfabetizados ao final do 1º ano. Ela afirma, ainda, que é importante recuperar os estudantes do 2º ao 5º ano que não foram alfabetizados adequadamente em decorrência do fechamento das escolas durante a pandemia.

Também participaram do evento a presidente executiva do Instituto Projeto Vida, Maria Raquel Garcia; a promotora de justiça de defesa dos direitos da criança e adolescente, Aluisia Beraldo Ribeiro; os deputados estaduais Arnaldo Silva e Leonídio Bouças; e o diretor-executivo do Instituto Alfa e Beto, Leonardo Oliveira Gomes.