Dia da Independência: as lições de História

100

Por ocasião do dia da Independência do Brasil, o professor João Batista Oliveira reflete em sua coluna no “Congresso em Foco” (UOL), a respeito da função do ensino da História e dos desafios para a elaboração de livros didáticos.

Segundo o presidente do Instituto Alfa e Beto, uma das principais razões para  o ensino da História nas escolas é o de exercer a formação e a manutenção do tecido social. E, para isso, os livros didáticos da disciplina devem narrar os fatos, trazendo informações acerca de datas, monumentos, heróis, cultura e tradições. Entretanto, na pós-modernidade, não é isso que vem acontecendo.

Atualmente, o Brasil atravessa um momento difícil de sua história. “Até mesmo a independência dos poderes que constituem a nossa República se encontra a cada dia menos garantida”, afirma o especialista.

Ele aponta ainda, que hoje, “quase todos os brasileiros se veem privados de liberdades fundamentais”.  E complementa: “uns pela premência da fome ou do desemprego, outros pelo jugo da violência, outros pela falta de verdadeiras escolhas políticas, alguns até mesmo privados ou constrangidos em sua liberdade de expressão –  que ao fim e ao cabo restringe a liberdade de todos”.

No mundo pós-moderno, cheio de individualidades e direitos, mas quase vazio de consensos e deveres, o que poderiam e o que deveriam falar os livros didáticos a respeito da disciplina de História?

Confira o texto na íntegra aqui